quinta-feira, 12 de março de 2009

“A espada” por Júlio Dantas

“A espada”

No convento, e talvez dez léguas em redor,
Frei André de Jesus tinha fama de santo:
Vigílias, orações, milagres, – e, entretanto,
Nunca tentara a Deus tão grande pecador.

Em moço, fora o mais terrível e o melhor
Dos duelistas de Espanha: ao vento o feltro e o manto,
Batia-se a sorrir, matava a cada canto,
Chamava à sua espada o seu primeiro amor.

Depois envelheceu, surgiu do seu engano,
Tomou para mortalha o burél franciscano, –
Mas apesar de frade, e santo, e penitente,

Na sua cela, um dia alguém o viu, a medo,
Abraçado a uma velha espada de Toledo,
A chorar, a chorar silenciosamente...

Por Júlio Dantas

Júlio Dantas (Lagos, 19 de Maio de 1876 - Lisboa, 25 de Maio de 1962) foi um médico, poeta, Jornalista, político diplomata e dramaturgo português.

1 Comentários:

Anonymous Anônimo disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blog.

21 de maio de 2009 06:32  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial